• Multioffice Escr. Virtual

Não é Só a Crise - O Despreparo e Desinformação Pode Travar a Prosperidade nos Negócios

Atualizado: Jun 26


Isso é fato: com ou sem crise, todos buscam a melhor relação custo-benefício!


Escritório Virtual e Coworking oferece essa vantagem a qualquer empreendedor.


Nem tudo é culpa da crise! O despreparo e desinformação pode travar a prosperidade nos negócios, independente da situação econômica do mercado.


O empresariado brasileiro tem de positivo o famoso “jogo de cintura”, que em muitos casos, é pedra fundamental para superar impasses e seguir em frente com o negócio.


Porém, pelo menos um terço de todo o tempo útil de um empreendedor brasileiro é desperdiçado com coisas irrelevantes, que terminam em improdutividade.


A expectativa quanto aos resultados pode se tornar algo frustrante quando achamos que temos a melhor estratégia do mundo.


Como assim?


Se você não a usa, mede, analisa e melhora, ela é uma forte candidata ao fracasso, a ideia pode ser muito promissora, mas se mal executada, de nada vale.


Adiante, falaremos dos obstáculos de gestão entre os empreendedores nacionais e mostraremos como transformar em solução as dificuldades que vão aparecendo pelo meio do trajeto.


Cada vez mais está se tornado uma tendência comum nos dias de hoje culpar a “crise” por uma série de fatores que muitas vezes poderiam ser solucionados através de uma gestão mais eficiente.


Claro, a crise também tem influência.


Então uma pergunta: como podemos vê o atual momento da nossa economia, e mais, até que ponto pode ser debitado à “crise” um desempenho ruim dos negócios?


A economia pode está mais vulnerável e é um fato que não se pode negar, os números não mentem e estão aí para nos mostrar que temos sim uma desaceleração brusca.


Mas apesar disso, a crise sozinha em muitos casos não é a causa da maioria dos problemas enfrentados pelos empreendedores, principalmente o pequeno e o médio, que compõem a maior parte das empresas no Brasil.


Claro, é normal e até lógico que muitos queiram culpar a crise. Uma outra pergunta: então quantos empreendedores estavam ganhando, de verdade, dinheiro antes da crise?


Certamente, ninguém ou a minoria levantaria a mão.


Isso quer dizer algo bastante comum: ou seja, de modo geral o empresário não está preparado para gerir seu próprio empreendimento e isso independe da economia.


Um fato nesses casos, por exemplo, é que a mortalidade nos primeiros cinco anos das empresas em geral sempre foi alta, não importando o período.


É claro que a economia deteriorada agrava o cenário, mas as causas do problema sempre estiveram lá.


Então é natural uma nova pergunta: de que forma estimular os empreendedores a um melhor desempenho?


Uma forma é a parte de conhecimento em gestão.


Por exemplo, 93% (isso mesmo, noventa e três) das empresas de modo geral, não sabem afirmar qual o seu lucro líquido.


Isso é um ponto básico para a gestão de qualquer negócio e precisa ser identificado e analisado, caso ocorra o contrário, erros absolutamente graves de administração poderão acontecer.


Então é necessário focar no conhecimento em gestão.


Uma segunda vertente, diz respeito ao comportamento, já que conhecimento sem as atitudes necessárias não levam o empresário ao desempenho que o fará atingir os resultados desejados.


Em muitos casos, o empreendedor até já tem conhecimentos relevantes em gestão, mas não os aplica de forma prática. Muitas vezes a tal “crise” os paralisa na sua condição de líderes.


E tudo isso está ligado ao comportamento e se faz necessário tratar.


Só que fatos assim não ocorre apenas na crise, mas frequentemente.


Todo brasileiro é realmente empreendedor nato?


O Multioffice é uma empresa que atua no ramo de escritório virtual e cowoking com experiência de vinte anos de mercado, em Recife, Olinda e Paulista-PE, ao longo da nossa jornada, identificamos os mais variados perfis de empreendedores, por tanto, notamos que é natural do próprio brasileiro ter um ótimo “jogo de cintura” que outras nações não tem e isso contribui e muito a empreender.


É realidade afirmar que a nossa cultura ajuda desde muito cedo esse tipo de comportamento.


Além de tudo, somos flexíveis e isso agrega para identificar soluções fáceis e rápidas perante os desafios que aparecem.


Porém, tudo isso acaba indo na contramão de outro ponto importante para manter saudável uma empresa, que é o foco.


Em vários casos temos que tratar a falta de foco e direcionamento.


Vejamos, só para se ter uma ideia, o empresário joga pelo ralo, todos os dias, na média, 33% de seu expediente em coisas irrelevantes.


A conclusão disso, é uma improdutividade muito elevada.


Quais os gargalos que o empresariado brasileiro deve superar para conseguir mais rendimento e êxito na gestão das empresas?


Tem três desafios principais em que o empreendedor, seja de qualquer nacionalidade, esbarra quando busca conseguir melhor rendimento e sucesso.


Vejamos: tempo, dinheiro e equipe. Normalmente muitos empresários trabalham horas e horas e nem sempre percebem o retorno financeiro proporcional ao processo de trabalho executado.


Em inúmeras situações ele acaba se transformando em escravo de sua própria empresa, pelo simples fato de ter mais um “trabalho” do que um negócio.


Esse processo ocorre, na maioria dos casos, porque a equipe não consegue um alto desempenho, mas ele tem e termina trabalhando pelos outros.


Um outro fator que nós identificamos na nossa trajetória de mais de 20 anos de mercado, diz respeito a outra pergunta: no geral, até que ponto a política econômica pode afetar a gestão das empresas no Brasil?


A política econômica atinge a demanda das empresas, mas a gestão delas não deveria ser tão afetada assim.


Caso a empresa tenha uma boa equipe de gestão, a mesma saberá contornar as questões econômicas.


Seria igual a um capitão de navio.


Esse capitão tem que saber navegar por mares calmos e tempestuosos também.


Outra questão é: como a gestão pode mudar o rumo de um negócio?


Se a sua leitura chegou até aqui, vejamos: imagine um atleta de nível olímpico sem um treinador, consultor e mentor.


Isso torna a situação quase que impossível do atleta chegar ao seu máximo sem este apoio.


Igualmente, um empresário pode mudar e melhorar o trajeto de sua empresa conseguindo motivação, foco, conhecimento, técnicas em gestão e alguns bons “puxões de orelha”.


E nós os apoiamos oferecendo uma infraestrutura completa de escritório, salas para reuniões, secretária, endereço fiscal e empresarial, motoboy, recepcionista, agenda e muito mais.


É só chegar e trabalhar, tudo com planos e preços flexíveis de acordo com a necessidade de cada profissional/empresa.


Mas o que um empreendedor que estuda abrir o seu primeiro negócio nos dias atuais deve saber para não encerrar as atividades com poucos meses de mercado?


Um mínimo de planejamento se faz necessário para dar início a um negócio.


O interessante é construir um plano de negócios.


Só que, infelizmente nem todo brasileiro tem o hábito de planejar, justamente porque tem o famoso “jogo de cintura”, que o ajuda, mas não soluciona.


Planejar vendas, marketing, finanças, equipe e operações são extremamente importantes para construir a base de maneira sólida.


Caso a base não seja sólida, qualquer tempestade derruba a “casa”.


E franquia é uma alternativa boa de negócio em tempos ruins?


A franquia sempre vai ser uma boa opção de negócio independente da época.


Mas é necessário saber se a pessoa tem o perfil para essa ou aquela rede de franquia.


O fato de representar uma boa alternativa não necessariamente significa que é bom para você.


A sacada é: antes de entrar no negócio, entenda bastante o modelo de franquia e o que o franqueador tem a oferecer.


Definir uma estratégia de ação a médio e longo prazo é importante no planejamento empresarial?


Bastante. Estratégias devem fazer parte de qualquer bom planejamento, todavia, tão importante quanto uma boa estratégia é a sua boa execução.


É certo afirmar que não adianta ter a melhor estratégia do planeta se você não a usa, mede, analisa e aperfeiçoa.


Ao longo da nossa trajetória no segmento de escritórios virtuais, focamos, entre outras, a palavra “ação” justamente por causa disso.


Ter estratégias ótimas, não traz resultados. Ações claras e concretas trazem.


Um outro ponto fundamental é que muitos empreendedores ficam na dúvida em que ordem colocar as estratégias e as ações.


Isso requer muita atenção, pois pode fazer toda diferença.


O que o nosso país precisa fazer para superar as dificuldades econômicas e condicionar um ambiente de crescimento no empreendedorismo?


Nós do Multioffice Escritório Virtual entendemos que o Brasil deve e precisa equilibrar suas contas.


É igual numa empresa, ou numa família, ele não pode sair gastando mais do que arrecada, que é o que vem ocorrendo.


Os governantes (independente quem seja) precisam parar de jogar toda a sujeira para debaixo do tapete.


Parar de culpar a todos por algo que é e sempre foi de compromisso deles em primeira instância, que é gerir com eficácia a nossa economia.


Quando isso acontece, gera-se algo chamado credibilidade.


Por consequência, credibilidade traz segurança, que por sua vez gera investimentos e que trás negócios. Somos uma nação de privilegiados pela natureza.


Não sofremos com furacão, maremoto, terremoto, vulcão e etc., como acontece em vários outros países.


Só precisamos usar com sabedoria a maravilha que temos nas mãos.


Aliás, não basta só saber, tem que querer!


Esperamos assim ter mais uma vez contribuído de forma positiva, claro, para informar os nosso leitores.


Empreendedor, lembre-se, mantenha-se atualizado e bem informado, nada de usar apenas a força do braço. Pense nisso!


Trabalho Flexível, Essencial à Retenção, Constata Pesquisa


Ps. Somos associados - ANCEV | Associação Nacional de Coworking e Escritórios Virtuais.

#crise #escritóriovirtual #escritóriocompartilhado #coworking #empreendedorismo #empreendedores #economia

ANCEV Associação Nacional de Coworking e Escritórios Virtuais

© 2018 - Multioffice Escritório Virtual | Rua Silveira Lobo, 32 - Casa Forte - Recife - PE | CEP: 52061-030